E pode haver em um único sol

Milhões de horas

Para a poesia que aflora

Transformar o meu espírito...

Atualizações do Amigo da Sofia em seu e-mail. Cadastre-se!



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 19 de outubro de 2013

Os Indefesos Beagles Paulistas e a Hipocrisia Social que nos Cerca!

 



Uma sociedade alienada e sem a menor noção política e cidadã faz fenômenos como esse acontecer: a invasão noturna de um laboratório de pesquisas científicas por ativistas ambientais e defensores dos direitos dos animais e a comoção nacional. De repente, todos amam os animais e os defendem bravamente, politicamente! Estamos acompanhando há poucos dias a polêmica dos cachorrinhos beagles utilizados em pesquisas laboratoriais em São Roque, cidade no interior de São Paulo.
Em um sábado a tarde decido espairecer um pouco da semana que passou repleta de compromissos e obrigações profissionais abrindo o meu perfil social nas redes virtuais. Deparo-me com quilômetros de postagens em defesa dos pobres e indefesos cachorrinhos-cobaias. Repúdio ao uso desses animais totalmente legítimo e necessário para resgatar essa discussão – que não é nova – sobre os direitos e bem-estar dos animais.  
 O que fico me questionando com esse levante popularesco em defesa dos bichos - via frases de sabedoria facebookiana e discursos engajados - é: o que a maioria esmagadora das pessoas que estão tomadas e repletas de razão saindo em defesa dos pobrezinhos beages vão almoçar amanhã, domingão? A resposta que me vem à mente é: um suculento churrasco! Desculpem-me, senhoras e senhores ativistas em defesa dos direitos dos animais, minha indignação é massacrante e não me deixa ficar calado. Qualquer um que ingerir uma sardinha sequer não tem a menor moral de arrotar essa pretensão burguesa de falsa vontade de melhorar a vida dos animais. Estão devorando-os! Porque amar uns e comer outros? Porque defender os beagles paulistas e devorar as vacas gaúchas ou os frutos do mar nordestinos? Ah, está na Bíblia! Jesus em pessoa multiplicou os peixes e isso justifica a carnificina realizada todos os dias – durante as vinte e quatro horas do dia – nos matadouros e abatedouros e frigoríficos desse país “gigante que acordou”. Quantos por cento das matas nativas do território nacional já foram devastados e transformados em pasto para enriquecer a indústria frigorífica? E os pássaros engaiolados pendurados nas varandas para o ínfimo deleite de ouvi-los assoviar? E os peixes nadando em círculo – quando nadam – em minúsculos aquários na estante da sala?
Manifestem-se porque esse direito é legítimo e imprescindível para a construção de qualquer sistema político que se aproxima da utópica ideia de uma democracia justa e igualitária... Mas, repare se o seu “compartilhar” não está apenas contribuindo para os interesses de uma minoria dominante que te faz acreditar que há algum resquício de sabedoria nessas mensagens repletas de uma comoção tão vazia e alienada... Qualquer pessoa que esteja manifestando sua indignação contra as pesquisas com os cachorrinhos indefesos de São Paulo que se alimentou de algum tipo de carne no almoço de hoje NÃO TEM O MEU RESPEITO! Lamento!
Se você está lendo esse texto até esse momento, te agradeço o crédito da leitura e explico: também não sou a favor de todos os maus tratos sofridos pelos animais! TODOS! Desde as pesquisas laboratoriais com substâncias experimentais até o consumo da carne. Sou vegetariano há quase dezoito anos e gostaria muito que mais pessoas fossem, mas NUNCA solicitei a ninguém – amigos, família, parentes, alunos, vizinhos, conhecidos etc – que deixassem de comer carne! Nunca! Quem fez agiu por conta própria! Não faço apologias e não levanto bandeiras justamente por acreditar que cada ser humano é constituído de inteligência e liberdade suficientes para estabelecer seus próprios parâmetros de sobrevivência com qualidade e percepção sócio-política minimamente apurada para agir em benefício do meio a que está inserido. Conheço alguns pseudos-vegetarianos que adoram se gabar de não comer carne (como se isso fosse algum sinal de superioridade), mas comem peixe ou frango. Reconheço que isso também é desestimulante.
A questão não é meramente o uso de cachorrinhos dóceis e frágeis em laboratórios industriais para o desenvolvimento de remédios caríssimos que – ainda que salvem vidas – vão enriquecer um grupo muito pequeno de burgueses. O problema é a discrepância entre o discurso que cidadãos comuns assumem em redes sociais – certos de que estão agindo de forma sensata e suficiente – com a atitude cotidiana tão longe da teoria.
Cheguei a um ponto da vida que só aceito cobrança de alguém que faz mais do que eu!  

 

 

 

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Ingênuo!


Foto: Carlos Aliperti / Fonte: AQUI!
_________________________________________


Um dia tentei ser poeta
Rimar palavras, construir versos
Fazer sonetos de amor
E escrever serenata.

Um dia pensei em ser filósofo
Elaborar argumentos, discutir teorias
Questionar raciocínios, superar pensamentos.

Um dia quis ser cantor
Sussurrar melodias, embalar canções
Expressar notas e emoções
Adentrar e percorrer almas e corações.

Um dia inventei de ser escritor
Criar histórias, engendrar enredos,
Personagens, amores e extinguir medos.

Um dia decidi ser palhaço
Para a alegria dar o braço
Viver pintado de fantasias
Animar os corações, colorir os dias.

Um dia me percebi insano,
Ingênuo! Para ser tudo isso
Só precisava ser uma coisa: Humano!




video



domingo, 13 de outubro de 2013

(In) Definição II





Sou o pecado e a absolvição

Sou o raciocínio e a alienação

Sou o silêncio e a confusão

Sou o mato e a selva de construção!


A nuvem negra e a pedra estática

O dia claro e a noite enigmática

O rio que flui e a gota solitária

A poeira molhada e a brisa marítima!


Sou você querendo gritar 

Sou o tempo precisando correr

Sou a paz lutando para existir!


O amor esmaecendo por lutar

A alma sucumbindo por  acreditar

A vida ressurgindo a se reinventar!


~ : : : ~

Para ler (In) Definição I, CLIQUE AQUI!


~ : : : ~


"Queria ter uma vida normal / Queria poder sentir mais igual / Poder dormir / Quando a noite vem / Sonhar com flores / Caindo das mãos/ Mas há uma cruz pesada / São espinhos / Que não param de sangrar / Em vão / Sangrando então / Todas as culpas / Inventadas / Derramadas no chão."

Deborah Blando

Related Posts with Thumbnails

O Que Você Procura no Amigo da Sofia?