E pode haver em um único sol

Milhões de horas

Para a poesia que aflora

Transformar o meu espírito...

Atualizações do Amigo da Sofia em seu e-mail. Cadastre-se!



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 25 de maio de 2013

A Dúvida e a Gaveta








Todos aqueles livros velhos e empoeirados pareciam debochar de Lídia. Ela jamais saberia o que todos eles sabem: o que seu marido guardava naquela biblioteca. Especificamente na gaveta da escrivaninha. Naqueles quarenta e sete anos de casamento os livros de Joaquim tinham sido mais amados do que ela. E isso a maltratava. Tornava vivo um sentimento de injustiça. Ele se deitara ao seu lado noite após noite ao longo da vida. Mas era somente seu corpo. Sua alma vagava por aquelas páginas tão desgraçadamente bem cuidadas dos livros da biblioteca. Durante a vida toda ela até adentrara o recinto algumas poucas vezes. Mas, nunca Joaquim permitiu que sua esposa soubesse o que trancafiava naquela gaveta. Lídia, finalmente, poderia chorar diante daqueles autores todos. Jogar-lhes na cara a culpa e a responsabilidade pelo fracasso de um casamento sem amor. O nome de sua prole em homenagem a eles, os poetas, que ela odiava... Fernando, Sophia, Mário, Alberto e Adélia. Seus filhos tão amados. Nomes que ela não escolhera e nem tivera a oportunidade de contestar, argumentar. Imaginava a cena: Joaquim entrando na biblioteca e perguntando aos seus livros que nome deveria dar ao filho que estava na maternidade. Os livros debatendo o homenageado da vez e decretando, em tom solene, a sentença. E Lídia nada podia fazer. Suas forças minguavam. Mas hoje, na volta do cemitério, ninguém a impediria de encarar aqueles livros todos. Um a um. Chegara a hora do acerto de contas. E o desmascaramento da misteriosa gaveta. Até mesmo o derrame cerebral que levara Joaquim foi compartilhado pela biblioteca. Maldita. Se não fosse ali ele estaria em seus braços. Ainda que sua mente vagasse... Seria dela, sua legítima esposa e mãe de seus filhos, o último suspiro, o derradeiro momento. Um choro amargo e cortante brotou sem censura alguma. Lídia sempre fora uma dama. Não deixaria de lado sua excelente educação agora, justo agora. O momento era de mostrar sua superioridade. Mas, antes chorou. Muito e francamente. Depois, com passos firmes e leves foi até a porta. Superou sua dor de viúva mal-amada. Girou a chave trancando-se no cômodo. Um cigarro aceso no canto da boca impregnava a sala toda de um cheiro ruim de ódio e ressentimento perigosamente misturados. Havia certa diversão em cada tragada da fumaça. Lídia sentou-se à escrivaninha. Poltrona confortável. Olhou para a gaveta que estava ligeiramente aberta. Joaquim não tivera tempo de trancá-la. A morte chegou antes e o levou sem cerimônia ou clemência alguma. Uma mulher de vigor e sentimentos fortes agora esmorecia diante de uma tremenda angústia. Aquela gaveta tinha sido alvo de sua curiosidade ao longo de décadas. E se o que encontrasse ali fosse cruel demais com ela? Perguntava-se! Será que deveria saber? Lídia decidiu que precisaria de um trago da vodka que Joaquim bebia todas as noites na companhia daquela biblioteca e o deixava fedendo para deitar-se com ela. Avistou a bandeja com a garrafa do outro lado do recinto. Levantou-se decidida. Foi até a bebida. Encheu metade do copo. Hesitou por um instante. Virou o líquido de uma única vez. Sentiu o ar lhe faltar e sua garganta parecia agora invadida por labaredas. Devolveu o copo na bandeja. De repente, Lídia sentiu uma pancada muito forte em sua cabeça que a fez desmoronar no tapete. Sua visão turva ia apagando-se aos poucos. Lentamente, perdendo os últimos instantes de sentido, Lídia avistou o que a atingira: um livro pesado e grande. Malditos! Estavam protegendo o segredo de Joaquim. O cigarro ainda aceso logo transformou o tapete felpudo em fogueira. E os braços vorazes do fogo rapidamente abraçaram as estantes com tantos livros, papel. Antes de ser sufocada pela fumaça aguda, a mente de Lídia ainda conseguiu saborear um estranho e salgado doce de vingança. Mas, esse também queimou. Junto com os livros, com o segredo da gaveta, com a biblioteca.


8 comentários:

  1. Vida trancada e amargurada, espaços vazios e delineados pelo gosto amargo da morte que sempre presente estava presente na tradução de seus sentimentos.
    Um domingo maravilhoso e abençoado!!!
    Estava com saudades
    By Chrys

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Chrys,

      Que surpresa maravilhosa receber seu comentário aqui no Amigo da Sofia. Obrigado por vir e por deixar suas impressões sempre preciosas... Super pontual e pertinente seu comentário!

      Abraço forte!

      Luz e Paz!

      Excluir
  2. Que belo blog!


    Cheguei aqui através do blog de minha amiga Isabel

    Tem conteúdo seu espaço.

    Espero que me visite também.

    Abraços e ótimo domingo


    Donetzka

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Donetzka,

      Obrigado pelo carinho. Seja muitísssimo bem vinda a esse humilde espaço de poesia e reflexão. Estou tentando ir te visitar mas não estou conseguindo acessar o seu perfil. Se você receber esse comentário, por favor, deixe seu link para que eu a visite também.

      Abraço de amizade!

      Luz e Paz!

      Excluir
  3. Whesley amigo querido,
    Saudade de comentar no seu "Amigo da Sofia."
    Porque visitar eu o faço sempre, releio e assim vou conhecendo mais um pouquinho do seu trabalho.
    Meu tempo é pouco mas sempre se encontra um jeitinho.
    Abraço querido amigo, boa semana.
    Maria da Graça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria da Graça,

      Sua presença no Amigo da Sofia é sempre luminosa e enriquecedora. Obrigado sempre pelo carinho e apoio tão amigáveis.

      Linda semana para ti tb, amiga querida!

      Abraço forte!

      Luz e Paz!

      Excluir
  4. Respostas
    1. Origado, amigo querido! Abraço forte.

      Luz e Paz!

      Excluir

"O que você não pode eu não vou te pedir e o que você não quer eu não quero insistir..." (Humbeto Gessinger)

SEU COMENTÁRIO SERÁ RESPONDIDO AQUI NO BLOG MESMO. OBRIGADO!

Related Posts with Thumbnails

O Que Você Procura no Amigo da Sofia?