E pode haver em um único sol

Milhões de horas

Para a poesia que aflora

Transformar o meu espírito...

Atualizações do Amigo da Sofia em seu e-mail. Cadastre-se!



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 12 de junho de 2010

Todos Os Dias Do Meu Amor...

.
Salve Amigos da Sofia!

Quem acompanha este espaço humilde de poesia e sentimento sabe que não é segredo nem tampouco novidade as publicações que faço em homenagem ao meu amor... Hoje, Dia dos Namorados, trago dois textos que escrevi para expressar o que sinto em relação a este presente que recebi de Deus e que coloriu e perfumou todos os cantos da minha alma.. Até os mais escuros! Aqui em casa todos os dias é dia do AMOR, porque aqui em meu coração ele é cada vez maior...

.



Meu

O meu amor
É botão em flor
Que nunca vi igual...

O meu amor
É buquê de sorrisos preciosos
Gostos, gestos, fricção, olhares majestosos...

O meu amor
É suave raio de vigor
Já em mim tão recentemente ancestral...

O meu amor
É carne e é cor
Mas, também é manifestação divinal...

O meu amor
É meu... chão, teto, casa, telhado, abrigo
E ainda assim antigo, amigo, calculado perigo...

Eu te amo você!!!


* * * * * * * * *


Um Quintal de Lembranças Coloridas



Girassóis. Uma plantação imensa. Era o que os rodeavam. A vida inteira. Por mais de sessenta anos. Uma vida. Uma história. Um amor... Naquela manhã ela fez o café mais doce de todos. O melhor também. Ele estava sem sono, o que sempre foi raro. Enquanto não adormecia, lembrava. Do café. Da manhã. Da vida. Do sorriso de sua mulher... Como estava envelhecido aquele sorriso, meu Deus! E, no entanto, continuava lindo. Irradiante. Sempre instalado nos lábios. Aqueles lábios tão doces e gentis. Pensando percebeu o quanto o amor entre eles só fez crescer. Contrário a todas as estatísticas. Desmentindo algumas crendices acerca do casamento e seu fardo mais pesado a cada ano. Contradizendo todos aqueles que associavam casamento e prisão. Ele agora pensava como o deles, o casamento, havia dado certo. Muitos problemas aconteceram no percurso da vida, é verdade. Naturalmente! O maior de todos foi a inexistência de filhos. Nenhum. Uma caxumba não cuidada na infância o impediu de semear o jardim de sua amada. Companheira, no melhor sentido da palavra. Por isso, talvez, ele plantasse girassóis. Nada neste mundo pode ser perfeito... O amor entre os dois era! Sempre foi. Ao menos para eles. E a união, que sempre fora alimentada por diálogos constantes, soube superar os problemas. Todos. Principalmente o mais difícil. Feito um rio que contorna as pedras. Agora ele sorria. Mesmo no escuro do quarto. Na tranqüilidade da noite. Na segurança dos braços da amada já adormecida há tempo. Na fortaleza de um amor construído. Por mais de sessenta anos. Dia após dia. Minuto a minuto. A vida foi vivida. Em sua plenitude. Intensamente. Colorida com gestos quase imperceptíveis. Incomuns são as cores do amor. A doçura de um bom-dia calmo. A grandeza de um pegar na mão para assistir, mesmo em silêncio, o por do sol. A graça de uma dança, rostinho colado, no meio da cozinha embalada pelo chiar da panela de pressão. O olhar nos olhos quando faziam amor sempre deixava claro que a emoção do momento, toda vez único, era infinitamente maior do que o prazer efêmero dos sexos exaltados. Quando a idade chegou foi o olhar que permaneceu. E, no entanto, eles ainda continuam fazendo amor até hoje. De outras formas. Com outros jeitos, obviamente! E ele se emocionava todas as vezes que pensava naqueles olhos. Ah, aqueles olhos! Eram faróis para ele. Irradiantes. Ágeis. Intensos... Viver ao lado daquela pessoa tinha sido maravilhoso. Sempre fora. Envelhecer naquele casamento tinha sido colorido. Vívido. Mágico é acompanhar alguém. Doar-se a ela. E receber também. Cada ruga daquele rosto octogenário ele viu surgir. Cada vez que os movimentos dela ficavam mais lentos ele percebia. Constatava. E, com certeza, ela também. A cada novo fio daqueles cabelos lindos, sempre bem penteados, muito bem cuidados, que a vida pintava de experiência ele sabia. Um a um. Ele viu enluarar. E os girassóis sempre estiveram ali... Acompanharam tudo. Toda a história. A vida toda! E agora ela dormia. Tão ternamente. A serenidade de sua feição era visível. Mesmo na escuridão do quarto. E a noite estava quieta, respeitando o repouso merecido. As estrelas vigiavam atentas. Sorridentes. A lua enfeitava todo o céu, porque mesmo na languidez do sono era preciso. Os girassóis esperavam ansiosamente a rotina, os afazeres da casa ressurgirem. Eram eles que acordavam o dia. Naquele lugar encantado, ao menos. O manto do amor emprestava seu calor para manter a cama quentinha. Junto com o abraço carinhoso que embalava o sono todas as noites. E ele, insone, simplesmente agradecia...

Um comentário:

  1. Whesley,

    Linda a sua postagem...num dia aonde o amor teve a sua exaltação em todos os lugares...um momento mágico, onde todos fazem reflexões sobre esse sentimento chamado Amor...cada um a sua maneira, uns com saudades, melancolia, solidão e uns vivem o momento pleno de alegria e união...

    Lindo dia....e belo texto!!!

    Parabéns!!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir

"O que você não pode eu não vou te pedir e o que você não quer eu não quero insistir..." (Humbeto Gessinger)

SEU COMENTÁRIO SERÁ RESPONDIDO AQUI NO BLOG MESMO. OBRIGADO!

Related Posts with Thumbnails

O Que Você Procura no Amigo da Sofia?