E pode haver em um único sol

Milhões de horas

Para a poesia que aflora

Transformar o meu espírito...

Atualizações do Amigo da Sofia em seu e-mail. Cadastre-se!



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 12 de maio de 2009

Histórias Inventadas

.
Bacchus - Leonardo da Vinci


Juca contava histórias. Histórias. E estórias também. Muitas. O tempo todo. E vendia flores. Flores. De várias espécies. Cores. Muitas. Histórias e flores. Vendia flores. Contava histórias. Alimentava a alma. E sobrevivia. Ao mesmo tempo. Tempo. Suas histórias inventadas. As histórias de Juca. Inventadas. Juca. O florista. E contador. Não de números. De histórias. Que ele mesmo inventava. Ele mesmo. Inventava. E contava. Histórias. De amor. Também gostava. De poesia. Gostava. Pensamentos estranhos. Ocorriam-lhe. Desses não falava. Guardava. Para o esquecimento. Que vinha. Sempre. Esquecimento. Feito lixeiro. E levava. Todos. Os pensamentos estranhos. Existiam. Ele não sabia por que. Não conseguia. Não conseguia. Simplesmente. Não sabia. Destroçá-los. Por quê! Não conseguia. Ficava sem saber. Não sabia. Mas, vivia. Mesmo assim. Assim. Vivia. Feliz. Alegre. Iluminado. Juca vivia. Tinha as flores. E as histórias. Ele conversava. Com todas. As flores. Suas. E as vendia. Contava-lhes histórias. Suas. Histórias. Estórias. E elas sorriam. Sempre. Por isso eram tão lindas. Lindas. Todas. Lindas. Sempre. Sorridentes. Por que não sabiam. Dos pensamentos. Estranhos. Que rondavam. Continuamente. E Juca disfarçava. Bem. Escondia. Juca. Nunca deixava. Ninguém. Nunca vinha. Não podiam. Saber. Dos demônios. Seus. Tão fortes. Tão latentes. Alimentados. Por Juca. Mesmo. Por seus pensamentos. Estranhos. Humanos. Completamente. Seu lado mais estranho. Era o humano. O maior. Lado. Nem Juca entendia. Nem. Mas, suportava. Pelas flores. Pelas histórias. Pela magia. E o encanto. Pelas pessoas. Com certeza. Seus espectadores. Pela poesia. Que vivia. E semeava. Pela vida. Das pessoas. Compensava. Era maior. Muito mais. A luz reinava. Luz. Na maioria das vezes. Maioria. Mesmo no escuro. Escuro. Tinha luz. E Juca sorria. E contava histórias. Estórias. Suas. Inventadas. E sonhava. E vivia... Cada uma. E vendia. Flores. Suas também. E sorria. Seus versos. Sua casa. Uma só. Cabia. Sacola. Casa. Sua. Nas costas. Na estrada. Poeira. No pé. A sacola. E sua casa. Dentro. Era ali. Onde estivesse. Ali. Em cada passo. Pisava. Seu rastro. Sua casa. Era nas flores. Também. Que vendia. Nos versos. Que recitava. Nas histórias. Que dizia. Estórias. Que inventava. Sua casa. Era ali. Onde seu coração estava. Seu coração. Outro lugar. Não havia. Não. E todos o amavam. Todos. O amava. Era fácil. Amá-lo. Fácil. Sua luz. Seus versos. Suas flores. Mesmo. Os seus demônios. Que ninguém conhecia. Ninguém. Juca não deixava. Deixava. Não. Mas, eles voavam. E não gostavam. Das flores. De Juca. Ah, as flores! As histórias. Sobre fadas. Planetas longínquos. Seres encantados. Elfos. Extremo amor. Amor. Que existia. Fora daqui. Em outros lugares. Lugares. Distantes. Daqui. Aqui. Seres violentos. Violentos. Feitos os daqui. Não existia. Naqueles lugares. Só aqui. Aqui. Só. E as flores. De Juca. Feito os versos. Os versos. Também não eram daqui. Não eram. Eram sim. De outro lugar. Onde todos amavam. Amavam. Mesmo. O Juca. E ninguém sabia. Ninguém. Que Juca voava. Voava. De verdade. Ninguém via. Nunca. E um dia. Um dia. De sol. Luz intensa. Luz. Juca voou. E não voltou. Não. Nunca mais. Não agüentou. E voou. Sem volta. Volta. Todos sentiram. A falta. Juca. Levou as flores. Consigo. As flores. Deixou os perfumes. Fragrâncias. Que não existiam. Aqui. Os versos. Nunca escritos. Guardados. Gravados. Na alma. De cada um. Que os ouviram. E sentiram. Todos. Sentiram. Saudades do Juca. Saudades. Juca. Florista. Poeta. Contador de histórias. Histórias. Estórias. Ninguém sabia. Ninguém. Desconfiava. Que Juca tinha asas. E demônios. Asas. De anjo. Por isso voava. Voava. Sempre. Por isso sentia. Sentia. Por isso. Amava. Por que era humano. Juca. Humano. E anjo. Que voava. E vendia. Suas flores. Suas. E contava histórias. Flores. E estórias. Viravam versos. Versos. Que se modificavam. Através de Juca. Anjo. Que era. Versos viravam luz. Viravam. Luz. E iluminavam. Os versos. De Juca. A vida. De todos. E aquela brisa. Serena. Brisa. Suave. Noturna. Ninguém sabia. Ninguém. Brotavam. Nasciam. Das flores. Das histórias. Dos versos. Das asas. Do coração. De Juca...




***
Dedico este texto à minha amiga, cigana e poetisa, Cezarina. (Alma Cigana) Um ser extremamente iluminado que me encanta com seus versos, suas tintas e pinturas e seus momentos compartilhados - ainda que virtualmente. Amiga, é muito bom ter você a me inspirar. Com carinho imenso e apreço profundo. Luz e paz!

14 comentários:

  1. Whesley . parabéns muito lindo isto...

    ResponderExcluir
  2. Olá Sweetheart =)

    empre bom encontrá-lo!!!
    Hoje ao ir comprar umas flores bem coloridas do Juca foi ele mesmo quem me contou a história dos pegas das cores que aleijaram o pobre do arco-iris =)
    Sinceramente,eu sou uma criança grande *.*

    Lindo,como sempre!!!

    Um enorme sorriso

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pela dedicatória,Whesley!Obrigada pelo carinho,pelo apreço,pela gentileza!Parabéns pelo texto, tão lindo!Vc é um amor!Um beijo leve como o sopro de uma brisa de primavera!Vôo nas asas do Vento Norte para te visitar...Sentirás minha presença sob a forma de uma pétala de rosa que cairá suavemente sobre tuas mãos, deixando nelas um carinhoso aroma...Beijos de Luz!

    ResponderExcluir
  4. Oi querido amigo, Whesley.
    Lindo, texto, alguém que vivi entre flores, só pode entender muito história.
    Contar história. é tão antigo quanto a humanidade,
    Na minha infância eu ouvia muitas história, tinha um velhinho ela era mendigo e toda noite por um prato de comida contava histórias de assombração e lindos contos de fadas.
    BEIJOS
    Angela

    ResponderExcluir
  5. Todos temos um pouco de anjos e demônios. Mas asas? Só a poesia tem...
    Texto lindo!
    Bjs
    Rossana

    ResponderExcluir
  6. Eu, você e Juca. Todos temos fragmentos de anjos e demônios.
    Só a poesia tem asas.
    Texto lindo.
    Beijos
    Rossana

    ResponderExcluir
  7. Whesley,

    Muito obrigada por sua sempre bem vinda visita!!

    Gostei da sua sugestão!O Blog ja está em link na lateral, mas é dificil realmente a sua localização, vou colocar o link, como disse.
    Veja depois se ficou bom.

    Grata!!

    Beijos,

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  8. Whesley,

    Muito obrigada pela sua visita ao meu Blog.
    É sempre bom ouvir palavras de apreço de alguém que escreve coisas tão lindas!

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Olá, meu Amigo Poeta!Postei um poema, mas senti falta da sua sempre gentil opinião!Vc anda ocupado demais pra visitar os amigos?Fiquei esperando por vc...Volte sempre!Sinto sua falta!
    Saudades com perfume de violetas!Bjo!

    ResponderExcluir
  10. Whesley,

    Tem um presentinho para ti no Blog:
    http://poesianotempo.blogspot.com

    Abraços carinhosos,

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  11. De ler e querer ler mais...
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Juca estava certo...
    Só transmitia para as pessoas coisas boas e construtivas...
    Devemos ser como Juca transmitir sempre o nosso melhor...
    Para tentar fazer o melhor para os que estão próximos de nós...
    Amei o texto Wesley...
    Uma linda tarde a você...
    Bjks...
    Chrys
    ;)

    ResponderExcluir
  13. Lindo contador de Histórias.
    Como Tu, menino LIndo.

    Obrigada!

    Beijos de Luz em tua inspiração.

    Paz!

    ResponderExcluir
  14. Blog lindo e seu conteudo também... Parabens!!!

    ResponderExcluir

"O que você não pode eu não vou te pedir e o que você não quer eu não quero insistir..." (Humbeto Gessinger)

SEU COMENTÁRIO SERÁ RESPONDIDO AQUI NO BLOG MESMO. OBRIGADO!

Related Posts with Thumbnails

O Que Você Procura no Amigo da Sofia?