E pode haver em um único sol

Milhões de horas

Para a poesia que aflora

Transformar o meu espírito...

Atualizações do Amigo da Sofia em seu e-mail. Cadastre-se!



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Fragmentos de Lágrimas e Sorrisos Inteiros

.

A chuva não cessava. Nunca. Sempre. Tanta água. Tanta! Parecia pranto. Mas, não era. Alguém que devia estar chorando. Chorando. E correndo. Clarisse corria. Na chuva. No tempo. No pranto de alguém. Ela nem conhecia. Mas, corria. Sem rumo. Sem direção. Por ruas inabitadas. Por vilas inexistentes. Desertas. Ruas que ela escrevia. E descrevia. Em seus poemas. Clarisse fazia versos. Chorava com eles. Neles. Corria. Afundava em mares desconhecidos. Inventados. Onde sempre chovia. Sempre. Não era Lispector. Quem dera! Ah! Quisera... Mas, era Clarisse. Com dois esses. Dois. Essa corria. Seus versos a guiavam. Nem sempre era dor. Muitas vezes sorria. Também. Na chuva. Constante. Ininterrupta. Porque chovia sempre. E a chuva limpava. E trazia alegria. Clareza. Clarisse. Na chuva. Os pensamentos eram límpidos. Mais. Também suaves. Por isso que, às vezes, doía. Clarisse enxergava dentro. E o que está dentro, nem sempre, é para ser visto. Mexido. Tocado... Lembrado! Nem sempre. Quase nunca. E sorria. Tantas vezes. Melhor os sorrisos. Melhores. Compensava. E o sol saia, enfim. O sol. Mesmo na chuva. A chuva. Que não parava nunca. Nunca. O sol iluminava. Os sorrisos. Aqueciam. Clarisse corria. Continuamente. Ininterruptamente. Simplesmente. Sem frio. Sem fome. Sem sono. Sem descanso. Sem pudor. Sem roupas. Sem trancas. Sem direção. Sem razão alguma. Nenhuma. A menor, que fosse. Não tinha. Clarisse não precisava. Só corria. E fazia versos também. Na chuva. Para sentir-se mais humana. Humana. Não se sentia assim. Quase nunca. Nunca mesmo. Por isso corria. Por isso chorava. Por isso sorria. Por isso sonhava. Por isso os versos. Seus abrigos. Refúgios. Abrigos. Recantos. Cantos. Céu aberto. Expostos. Desprotegidos. Não havia necessidade. Não existia o perigo. Nenhum. O mínimo. Só o medo. O medo. Este existia. De verdade. Medo de parar. Um dia. Não queria parar. Nunca. De não mais correr. De não mais sorrir. De não mais chorar. De não mais sentir. De parar. De não sonhar. Nunca mais. Não podia parar. Nunca. O que faria depois? Nem por um só instante. Um único. Tinha que chover. Tinha que molhar. Tinha que banhar tudo. E inundar. Também tinha. O que já transbordava. O que já estava na tampa. No limite. Circunspecto. Fabuloso, todavia. Fronteiriço. De sua existência. A razão. Sua razão. A que Clarisse não tinha. Porque nunca encontrara. Só sabia. E sentia. E sorria. E chorava. E corria. E fazia versos. De tudo isso. Era poeta. Da chuva. Do movimento. Dos dias em que chorava. Dos outros dias. Também. Dos que sorria. E chorava. Em outros tantos. Mas, corria. E fazia versos. Poesia. Construía versos. Versos. Rimava estrofes. Desenhava sonetos. Desenhava sim. Com as gotas da chuva. Com os pingos de lágrima. Com os fragmentos de sorrisos. Com as lascas dos sonhos. Com o movimento da corrida. Constante. Intensa. Translúcida. Sorridente. Atemporal. Transpassada. Chorosa. Viva. Poeta... Assim era Clarisse!

14 comentários:

  1. Adorei ler! Não conheço ( sinto eu) a destinatária... ou não terei entendido bem?
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Não tem porque interpretar um poema.
    O poema já é uma interpretação.

    Mário Quintana

    Mravilhoso Whesley! Sem comentários...

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  3. Um conto poético! Lindo. Incrível, tenho um pequeno conto neste mesmo tom, urgente... bacana a sintonia. Vou postar lá no blog, passa lá pa ver. Abráco!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo texto!
    Sempre que leio voce,fico sem palavras para comentar devido a intensidade de sua escrita.Que direi então eu...que melhore s´rá corrermos sempre e continuamente fazer sempre algo porqur parar é morrer!
    Por vezes é melhor fazermos como Clarisse e não pararmos nunca...
    Maravilhoso!!!

    Bj cheio de luar

    ResponderExcluir
  5. Olá queridíssimo amigo...

    Como eu entendo a Clarisse de dois ésses,do seu fabuloso texto!!!
    Ela é como eu,está perdida no eu infinito que despertou e, inclemente, reclama como sua a realidade em que se adentra.Nada é mais visto superficialmente,nem que tenha que se afogar no fundo escuro de um mar limpido e matinal na superfície.

    Viver na fronteria de tudo o resto!!!

    Lindo texto!E vamos ser sinceros,estas Clarisses estão em extinção!!!

    Um ENORME sorriso =)

    ResponderExcluir
  6. Whesley,

    Não sou talentosa como Clarisse, mais em sendo mulher entendo bem esse redemoinho de emoções...lindo texto!!

    Um abraço!

    Glaucia.

    ResponderExcluir
  7. mUITO LINDO TUDO O QUE LI! UM ABRAÇO,CHICA

    ResponderExcluir
  8. Pois é meu amigo!!!! Se não for a mesma, são irmãs! hehehe Fico feliz q gostou, obrigado pelos elogios. Voltarei sempre tb!!! abraço

    ResponderExcluir
  9. O que dura mais: um sorriso ou uma lágrima. O que é mais intenso: à substância ou o esboço do contentamento.

    ResponderExcluir
  10. Grata sempre por sua visita, bom já me sentir parte dos amigos de Sofia...gosto muito de vir aqui em visita.

    Beijos,

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  11. Vi agora que está a seguir o meu blogue. Obrigado.
    Depois volto para ver melhor o seu blogue.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Como disse o Delfim Peixoto,amigo dos blogs da vida e luso como eu, "Não conheço [tb]( sinto eu) a destinatária... ou não terei entendido bem?

    =)

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Deu uma vontade imensa de conhecer Clarisse!
    Lindo poema-conto.
    Beijos.

    ResponderExcluir

"O que você não pode eu não vou te pedir e o que você não quer eu não quero insistir..." (Humbeto Gessinger)

SEU COMENTÁRIO SERÁ RESPONDIDO AQUI NO BLOG MESMO. OBRIGADO!

Related Posts with Thumbnails

O Que Você Procura no Amigo da Sofia?